28 de fevereiro de 2018

Quantas pessoas passaram por nossas vidas?


Quantas pessoas marcaram nossas vidas? De quantas pessoas sentimentos falta? De quantas pessoas nem lembramos que um dia caminhamos juntas? Quantas pessoas nós conhecemos, mas nunca conversamos? Para quantas pessoas já contamos sobre nossas vidas, nossos planos? Em quantas pessoas já confiamos? Quantas pessoas caminharam ao nosso lado por um período curto ou longo? Quantas pessoas vieram por acaso e se foram do nada? Quantas pessoas tentaram entrar em nossa vida por que não conseguiram ou por que não deixamos? Quantas pessoas lutaram por nós e quantas outras nos abandonaram no momento em que mais precisamos? Quantas pessoas passam por nós todos os dias? Quantas pessoas ignoramos por algum motivo durante nossa vida? Quantas pessoas nós ajudamos? Quantas pessoas trazem lembranças boas? E quantas apenas nos fazem lembrarmo-nos de coisas ruins? Quantas pessoas estão vivas? E quantas partiram para além da terra? Por quantas pessoas já derramamos lágrimas? Quantas pessoas nos fizeram sorrir? A quantas pessoas somos gratas por ter estado ao nosso lado? E quantas pessoas já desejamos nunca ter conhecido? Quantas pessoas passaram por nossas vidas?
Você é capaz de dizer um número absoluto de pessoas? Ah, são tantas. Tantas pessoas que passaram, caminharam e partiram e tantas outras ainda estão aqui. E as pessoas que vão chegar? As pessoas que ainda não conhecemos? As pessoas que vão mudar nossas vidas, nos ajudar em um momento difícil? E aquelas pessoas que vão nos ensinar muito quando quebrarmos a cara com ela? Ou será com nós mesmos que não a enxergamos como ela realmente é ou nos frustramos com as expectativas criadas?
Cada pessoa que entra em nossa vida não entra por acaso. Ela tem um propósito, uma missão, um ensinamento, algo que precisa aprender ou até pelo simples fato de termos que estar juntas naquele momento, seja o que for, há algo nela ou dela de quê nós precisamos para viver. E nós também não entramos na vida de ninguém por nada. Se não há o que aprender há o que ensinar. Não adianta nos questionarmos, encher nossas mentes de perguntas ou de respostas que nem sabemos se são verdades. Tantas pessoas passaram, tantas estão e tantas passarão por entre nós. Independente se será por um período curto ou longo, o que ela nos trouxe? O que ela deixou? O que ela levou? O que ela mudou? O que ensinou? O que você pôde ensiná-la? [...]
Quando olhar para o passado, olhe com um sorriso. Olhe com gratidão. Olhe com amor. Não olhe com dor ou raiva. Se enquanto estiver olhando escorrer lágrimas dos olhos que sejam de alegria por tudo o que viveu, tudo o que aprendeu, tudo o que conseguiu transmitir, por todas as flores e as pedras que estiveram no caminho. Todas as nossas dores nos trazem reflexão e nos ensinam algo. Algo que não conseguimos enxergar antes de sentir a dor. E a dor era necessária porque precisávamos enxergar. Já era hora de abrir os nossos olhos, de tirar a venda que nos impedia de ver tantas coisas.
Chegamos até aqui e somos quem somos por tudo isso, por cada momento, por cada pessoa. Mas não perca tempo demais olhando para o passado. Foque no seu futuro. No caminho ainda a percorrer. Nas bifurcações das estradas. No que ainda acontecerá e que não fazemos ideia. Não tenha medo do que está por vir. Não deixe de viver por coisas que aconteceram. Se entregue. Entregue-se a vida como jamais um dia o fez.
Aline Bueno

9 de agosto de 2017

As perguntas


Temos o costume de passar tempo demais nos questionando sobre a vida. O passado, o presente e o futuro. Como se as respostas nos fossem dadas no mesmo instante que perguntamos. Uma única incógnita pode gerar outras dez. E assim vamos vivendo com a mente turbinada de perguntas. E as respostas que tanto queremos onde estão?
A vida é encarregada de colocar todas as vírgulas, os pontos e as reticências no seu devido lugar. No entanto, será que ela assim o faz? Ou às vezes é melhor deixar do jeito que está? De uma forma pequena ou bombástica a maioria de nossas perguntas um dia são respondidas. Você já se perguntou se realmente gostaria de saber a resposta? Talvez seja melhor nem perguntar, nem pensar, nem analisar. Da mesma maneira que ao se ter uma resposta pode ter-se um alívio, uma ferida pode-se abrir também.  Conviver com ela não é tão fácil assim. Pode tornar a vida um pouco mais amarga, pode tornar as coisas um pouco mais difíceis. Você está preparado para o que vier?
As perguntas continuarão seguindo-nos por onde caminharmos. Às vezes estaremos preparados, outras vezes não. Embora devemos aprender a conviver com elas e com as suas consequências. Não é só acreditar que em tudo há um propósito. É se entregar a esse propósito e deixar que a vida se encarregue do restante. Não é também estagnar. É lutar e ter a consciência de que tudo foi feito. Não é usar palavras que não venham do coração. É ter a certeza de que o destino se concretizará da forma que for.

As coisas pelo qual passamos são para nos fortalecer. As pessoas que encontramos às vezes não são para a eternidade, algumas tem uma missão em nossas vidas que ao se cumprir simplesmente partem. Não passe a maior parte de sua vida se questionando. Existem coisas que não temos o direito de compreensão. Apenas aceite o que vier e o que não vier em suas vidas. Isso é o que você precisa, nada mais. E viva, viva um dia de cada vez!
Aline Bueno

30 de junho de 2017

Ah, se você soubesse


Ah, se você soubesse o que se passa pela minha mente agora... Ah, se você pudesse ver através de meus olhos e sentir através de meu coração... Ah, se você se deixasse conhecer-me, mostrar-te quem sou... Ah, se você se importasse com o que penso sobre o futuro... Ah, se você se interessasse em saber como foi o meu dia... Ah, se você ouvisse sobre meus sonhos e desejos... Ah, se você, de alguma forma, soubesse o porquê de tudo isso, talvez compreendesse que tudo não é bobagem, como diz... Se você se permite-se, talvez as coisas fossem diferentes...
Ou talvez elas devam ser assim mesmo. Sem muita explicação, sem muito questionamento. Apenas um “tudo bem” e a gente segue a vida fingindo não se importar, mas no fundo, o coração chora. Chora em saber que podíamos ser tudo. Tudo o que queríamos. Tudo o que precisássemos. E no fim, somos nada. Nada do que um dia foi um sonho. Nada do que acreditamos ser. A vida é assim um mistério. Você já nem tanto. É totalmente previsível. Cada passo seu eu podia ver antes que você mesmo o tomasse. Só não queria acreditar. É mais fácil a ilusão do que a realidade. Mas você ainda não sabe o porquê de tudo isso. Porque eu mesma não tive coragem de te dizer. Nenhuma palavra saiu de minha boca. Apenas um “até logo” enquanto eu queria dizer “fica”.
[...]
Quem sou eu? Quem sou eu para pedir que ficastes? Quem sou eu para pedir que me amastes? Quem sou eu para pedir que me abraçastes? Quem sou eu? [...] Para você sou apenas mais uma. Uma entre tantas outras que já passaram por sua vida e por mais que tentassem, assim como eu, não conseguiram deixar uma marca no seu livro da vida. Talvez porque você não as permitiu ou talvez porque nós não nos permitimos. Tentar já não é o bastante. A vontade de lhe contar tudo ainda permanece. Dizer que lhe amo não apenas com o olhar, sobretudo com a boca, o corpo e a alma. Talvez um dia você saiba. Talvez você me compreenda. Assim espero... Porque é importante saber que somos amados nesse mundo frio que vivemos. É difícil ter verões em meio a tantos invernos. E mesmo assim, ainda acredito no amanhã e jamais deixarei de acreditar no amor. Acho que você também é apenas só mais um. Só mais um cara por quem me apaixonei e logo tudo passará, tudo se ajeitará. Assim espero...
Aline Bueno

29 de junho de 2017

Pássaro


Ela era pássaro preso em gaiola
Com medo de se entregar ao mundo
Ele cansado do mundo
Só queria um lugar pra repousar
Num dia qualquer encontraram-se
Reconheceram-se no olhar do outro
Quem eles realmente eram
E viveram invernos, primaveras, verões, outonos
Ele a ensinou que a porta estava aberta
E que só ela poderia alçar vôo
E mais do que isso
A ensinou a voar
Ela o ensinou a levar a vida tão menos a sério
A aproveitar o momento
O ensinou o valor de estar com alguém especial
E juntos desbravaram o que havia de belo no mundo
Mas toda flor tem seus espinhos
E ela já não queria continuar ali
Enquanto ele não queria ir para lugar nenhum
Ela o apresentou ao amor
Ele a apresentou a vida
E assim foram
Seguir caminhos diferentes
Porque depois que ela descobriu que a porta estava aberta
E perdeu o medo
Ela decidiu voar até encontrar o seu lugar
Aquele já não lhe pertencia mais
Aline Bueno

9 de junho de 2017

A tal "crise existencial"


De tempos em tempos a vida nos dá uma rasteira tão grande que precisamos parar por um momento para nos olhar no espelho e perguntarmos: quem sou eu? É uma incógnita tão complexa e na maioria das vezes tão difícil de responder. Principalmente quando você se perde durante o caminho. É tão fácil e simples perder-se e tão difícil e complicado encontrar-se. Não é como quando se é adolescente e procura encontrar sua identidade. É quando você já tem uma e ela já não te agrada mais. Ou quando você com tudo o que já te aconteceu muda tão drasticamente que já nem sabe quem você é, o que está fazendo com a sua vida. Porque você não conhece quem você se tornou, você não compreende o que faz ou fala. Não é só sobre a sua existência na terra. É mais do que isso, é sobre seus sonhos, sobre quem você é e quer ser. É sobre a sua vida.
Todos os dias criamos planos e mais planos para o nosso futuro. Alguns ficam no planejamento, outros se concretizem e outros ainda perdem-se com o passar do tempo. Estipulamos metas para cada plano. A concretização nos dá satisfação, alegria e orgulho. E quando o prazo se acaba e as metas não foram alcançadas? Mudamos o prazo? Reavaliamos as metas, o plano em seu todo?
A crise existencial é também aquele momento em que você se pergunta: o que estou fazendo com a minha vida? Tudo é tão diferente do que eu imaginei, planejei, sonhei, almejei. É entrar em conflito com você mesmo. É perceber que suas ações não condizem com quem você é, com seus valores, suas crenças. É se ver no caminho errado. É compreender que as coisas que saem de sua boca são apenas uma ilusão que você criou, porque não é o que você realmente quer dizer. Você alimentou tanto as mentiras que quase acreditou nelas. Mas a quem você está enganando além de você mesma? É perder o controle da direção. É estar completamente insatisfeito com o que vê no espelho. É tudo uma confusão... É querer e precisar estar só. Você com seus pensamentos. Você com seu coração. Você com o seu eu...
Como todos os momentos é tão necessário quanto respirar. É você reavaliar a sua vida. O que te aconteceu, o que está acontecendo, o que pode acontecer e o que você quer que aconteça. É você se realinhar novamente. Transformamo-nos todos os dias. É normal as coisas mudarem. No entanto, é imprescindível que tudo esteja em harmonia. Viva este momento. Aproveite as coisas magníficas que ele pode te proporcionar. E lembre-se do por que ele existe. Encontre-se e tudo ficará bem. Você já passou por isso antes e passará novamente. Tenha a fé como sua amiga. Nunca desista, por mais difícil que seja. Lembre-se: para encontrar o arco-íris é necessário enfrentar a chuva.
Aline Bueno

29 de abril de 2017

Paranoias


Paranoias
Por que vocês existem? Nos pegam nos momentos mais frágeis com ideias, muitas vezes, que não são verdades. E mesmo sabendo que são meras ilusões acreditamos fielmente em vocês. Por que vocês sempre estão seguidas de um ponto de interrogação? É para gerar mais dúvida? Ou para vocês se proliferarem? Porque basta uma faísca para vocês tirarem-nos o sono.
Paranoias
De onde vocês vêm? São frutos dos pensamentos de nosso subconsciente? Sempre existiram? Estão lá há cada segundo aguardando o pior momento para se mostrarem presente? Vocês estão em todos nós, seres humanos, ou só em alguns? Vocês escolhem em quem vão estar? Não há tempo ruim para vocês?
Paranoias
Qual é a finalidade de vocês? Sinceramente, fica difícil entender. Se levarmos a sério criamos uma confusão que, muitas vezes, são desnecessárias. Brigamos com nós mesmos. E me diz: a fim do quê? E se não levarmos, ficamos depois nos perguntando se foi o caminho certo... Já é uma bagunça e há tantas incertezas, por que piorar? O que vocês ganham com isso?
Paranoias
É possível controla-las? É possível calar suas bocas assim que começarem a falar? É possível não leva-las tão a sério? É possível viver sem vocês? É possível viver sem as dúvidas? Sem as incertezas? Como seria nossa vida sem vocês?
Paranoias
Se vocês soubessem o quanto nos fazem crescer, amadurecer. Se vocês soubessem o quanto a cada dia que aprendo a conviver com vocês torno-me uma pessoa mais confiante, mais decidida. Ah, se vocês soubessem o quanto me fazem evoluir. Ao final, é como se vocês não mais existissem. Mesmo assim, vocês continuam lá. Só deixam de fazer tanto barulho. Passam apenas a dizer coisas necessárias nos momentos certos.
Aline Bueno

27 de março de 2017

Caminhos da vida


Como escolher qual caminho seguir em meio a tantos? Como saber quais serão as pedras que encontrarei? Como saber qual flor estará ao fim da estrada? Como distinguir a razão da emoção? Como saber o que é certo e o que não é? São tantas incógnitas e nenhuma certeza... A vida é incerteza. Mais incerta ainda são as nossas escolhas.
E quando dizem que tudo pode acontecer é porque tudo, tudo mesmo pode acontecer. Nada nessa vida é certo. O livre arbítrio está em nossas para ser usado. E não ouse guarda-lo no bolso achando que são só mais duas palavras usadas ao acaso. Porque quando você estiver em frente a uma bifurcação, você entenderá que está em suas mãos a sua vida, que a escolha é unicamente sua. E pode ser que você descubra tarde demais. Não se engane e acredite: há sempre outro caminho a seguir; há sempre uma luz na escuridão, por mais fraca que esteja. Sempre haverá outra opção. Sempre haverá tempo de mudar o caminho. A escolha continua sendo sua.
É importante pensar/refletir sobre a vida, mas é imprescindível vive-la sem medo do depois. Vive-la intensamente. Viver sem arrependimentos. Viver o amor. Viver a alegria. Viver os erros e as vitórias. Viver as lágrimas que surgem no caminho. Viver cada momento. Pois quando você se der conta a sua vida já estará ao fim. Tudo passou tão rápido quando aquela tarde ensolarada no parque. Porque a vida é tão leve quanto o vento e tão pesada quanto o ar que respiramos. Nunca pense que tudo acabou. Você vai se surpreender quando a vida mostrar-lhe o que ainda há para viver.
Aline Bueno